Vídeo critica discurso ruralista em meio à ofensiva contra demarcação de terras indígenas

Curta disponível na internet rebate teses sobre a produtividade de latifúndios e lembra: 70% dos alimentos e 75% dos empregos no campo vêm da agricultura familiar, em pequenas propriedades

Por Repórter Brasil

Um vídeo que circula na internet desde a última quarta-feira (18) tenta contra-argumentar as teses que defendem a manutenção da estrutura fundiária brasileira, em meio aos debates acerca da Proposta de Emenda Constitucional 215 (PEC 215). O Brasil é um dos países que apresenta maior concentração de terras em todo o mundo.

Conhecido por PEC 215, o projeto conta com apoio irrestrito dos deputados ligados à Frente Parlamentar da Agropecuária, também conhecida como bancada ruralista, e prevê que as ações de demarcação de terras indígenas passem a ser realizadas pelo Poder Legislativo, em vez do Executivo, a quem hoje cabe a tarefa.

Assista o vídeo:

Ao contrapor dados e informações sobre a situação agrária no país, o vídeo sugere a latifundiários e grandes proprietários de terras: “Baixa a bola, ruralista. Você não nos alimenta, você não nos representa!”.

Enquanto, de um lado, entusiastas do agronegócio brasileiro defendem a importância da matriz econômica primária para a economia brasileira, o curta lembra, por outro, que, de acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), as pequenas propriedades produzem cerca de 70% dos alimentos consumidos no país.

No decorrer das cenas, somam-se ainda mais argumentos. Pelo menos 75% dos empregos no campo estão em trabalhos desenvolvidos por minifúndios de agricultura familiar, em uma porção que ocupa apenas 30% das terras agricultáveis no Brasil.

O vídeo não só destaca a maior produtividade e geração de renda das pequenas propriedades como também os esforços desempenhados por pequenos produtores e os danos causados por latifundiários.

Segundo o curta, ao mesmo tempo que o agronegócio recebeu R$ 107,2 bilhões do Plano Safra 2011/2012, do Governo Federal, apenas R$ 16 bilhões foram destinados à agricultura familiar.

Além disso, o vídeo reforça a noção de que latifúndios monocultores ou produtores extensivos de gado estão entre os maiores infratores de direitos humanos, trabalhistas e ambientais no Brasil. Na “lista suja” do trabalho escravo, a criação de bovinos é a atividade econômica campeã na quantidade de nomes inseridos.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *