Passageiros de ônibus são roubados após embarcar em Confresa

Por Telma Aguiar

Confresa – No início de Dezembro clientes da viação Xavante foram assaltados roubados no percurso entre Alto Boa Vista e Ribeirão Cascalheira. O ônibus das 22:00 de Confresa a Barra do Garças  teve de pernoitar na BR 158 por causa de problemas nas estradas ,  ao amanhecer passageiros sentiram falta das carteiras e dinheiro.

A Fisioterapeuta Antônia, disse que durante o sono sentiu várias vezes que havia alguém tocando nela, mesmo tendo sono leve ela não conseguiu acordar. Perto das 6:00 do dia seguinte ela conta que um senhor  com idade já avançada apontou um menor de idade e o acusou de tentar roubar sua carteira por três vezes.  O menor não se manifestou.

Antônia decidiu olhar sua bolsa e percebeu a carteira dentro da mesma. Só no dia seguinte ao desembarque no destino final, quando precisou pagar uma conta ela sentiu falta de dois cheques e de 250 reais em dinheiro. Antônia também contou que outros passageiros fizeram a mesma reclamação que a do senhor de idade.

No distrito de Serra Dourada, o menor deixou o ônibus acompanhado de um homem, uma mulher e um bebê.

O boletim de ocorrência, nº 2013.327702 foi registrado na cidade de Água Boa.

Álvaro Carvalho, do setor jurídico da Viação Xavante em Barra do Garças, falou por telefone com esta reportagem, ele explicou que ocorrido configura furto em vigilando (quando o objeto está em acesso fácil) e que “infelizmente nesses casos o que está ao alcance da empresa é apenas encaminhar os reclamantes a delegacia”. Ele explicou ainda que a empresa não tem “poder de polícia” para revistar passageiros, nem tem meios para identificar quem rouba.  “Agir objetivando confirmar a idoneidade dos passageiros iria contra outros princípios constitucionais”, disse.

Ao contrário do que o jurídico da empresa informou como procedimento padrão a enfermeira Daniely Craco que embarcou no feriado de 14 de Novembro não pôde registrar em Ribeirão Cascalheira, onde sentiu falta da carteira, o boletim de ocorrência.

A moça pediu para ir à delegacia registrar o boletim, mas foi informada pelos representantes da empresa que não poderia fazê-lo porque o ônibus precisava seguir viagem. Ela só conseguiu fazer o registro em Cuiabá.

Depois de aproximadamente uma hora e meia de confusão a carteia foi encontrada nos últimos bancos do ônibus que já estava na garagem, sem os documentos e o dinheiro.  Daniely desabafou: “além das perdas financeiras eu tive vários transtornos porque fiquei sem meus documentos”.

Imagem: informativoflagrante.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *