Polícia cumpre 19 mandados contra quadrilha acusada de falsificação de escrituras de terras

Grupo cometeu homicídios e fraudava documentos particulares e públicos nos municípios de Barra do Garças, Confresa e Porto Alegre do Norte.

Por Denise Soares

Uma quadrilha especializada em falsificar escrituras de terras e cometer diversos assassinatos é alvo da operação ‘Liga da Justiça’, deflagrada na manhã desta segunda-feira (2) em três cidades de Mato Grosso. De acordo com a Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), foram emitidas 19 ordens judiciais, sendo oito de prisão temporária e 11 de busca apreensão. Segundo a Polícia Civil, sete pessoas já foram presas até o momento.

A operação é voltada contra membros da quadrilha especializada em crimes de falsificação de documentos particular e público, falsidade ideológica, fraude processual, roubo de terras e homicídios.

Os mandados devem ser cumpridos nas cidades de Barra do Garças, Porto Alegre do Norte (no Distrito de Nova Floresta) e Confresa. A organização é conhecida nas regiões como ‘Liga da Justiça’ por contar com influência no apoio e execução das atividades ilícitas de servidores que trabalham no Poder Executivo e Judiciário de Mato Grosso.

As investigações começaram após um duplo homicídio em 21 de setembro de 2011. Na ocasião, dois homens foram mortos a tiros enquanto pilotavam uma motocicleta por uma estrada de acesso à uma fazenda do município de Confresa. O inquérito policial identificou que o motivo das mortes seria a posse da terra e obtenção de recursos financeiros fraudulentos pela organização criminosa investigada.

Em Barra do Garças, a polícia cumpre quatro prisões e sete mandados de busca e apreensão. Nos municípios de Porto Alegre do Norte e Confresa são cumpridos mais oito mandados, sendo quatro prisões temporárias e quatro buscas.

De acordo com as investigações comandadas pela delegada do GCCO, Cleibe Aparecida de Paula, a quadrilha também tem ligação com crimes de homicídios qualificados e roubo de áreas rurais. O grupo forçava as vítimas a entregarem as propriedades, como forma de usurpação.

A mesma quadrilha foi alvo da operação ‘Lacraia’, da Polícia Federal, deflagrada em novembro de 2010. Na ocasião, 32 pessoas foram presas suspeitas de integrar um grupo especializado em fraudes cartorárias e grilagens de terras da União, além de crimes contra o sistema financeiro e corrupção de servidores públicos.

Fonte: G1MT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *