Jovem Karajá escreve petição para que Dilma ajude seu povo na luta contra o suicídio

Na petição Narubia Werreria, autora da petição, desabafa: “Queremos viver. Não queremos apenas resistir, queremos existir com dignidade”.

Escrito por: Rizza Matos

Os Iny (Karajá), como auto denominam, estão espalhados entre Mato Grosso, Pará,  Goiás e Tocantins. Originalmente esse era povo era nômade que vivia descendo e subindo o Rio Araguaia. Sobreviviam da pesca, de pequenas roças e das trocas realizadas com outras etnias. Hoje os Iny somam mais de 3 mil indivíduos e vivem agrupados em aldeias. A maioria vive na Ilha do Bananal, divisa entre TO e MT. Ali está sendo registrada uma triste realidade. Desde 2010 as comunidades vem passando por longos períodos de luto. O motivo são os suicídios de seus jovens.

No Relatório  Violência contra os Povos Indígenas do Brasil, organizado pelo Cimi, de janeiro a agosto de 2012, segundo o Distrito Sanitário Especial Indígena de São Félix do Araguaia, foram registradas sete mortes em decorrência de suicídio. “Além da constatação de aproximadamente 80 situações de vulnerabilidade que englobam tentativas e ameaças” ressalta o Relatório. E fora da Ilha foram mais quatro constatações, todas da aldeia São Domingos, no município de Luciara, MT.

Neste ano, no começo do mês, mais um caso foi registrado. Dessa vez a prima da vítima, Narubia Werreria, estudante de Direito da Universidade Federal do Tocantins, rompeu o silêncio e começou uma campanha por meio do Avaaz.  Na petição “Presidente do Brasil, Dilma Rousseff : Salvem os jovens Iny (Karajá e Javaé) do suicídio” Narubiá diz “tenho esperança que nosso povo venha superar esses traumas e que nossos jovens voltem a sonhar e não terem pensamentos de morte e autodestruição, precisamos de uma intervenção urgente..”.

Em sua página no Facebook Narubia fez um apelo “se fosse me dado um último pedido em vida, seria esse: Ajude meu povo! Desde 2010, jovens estão se suicidando entre nós Iny (Karajá e Javaé). Ainda me sinto paralisada e impotente diante desse problema, porém, resolvi começar essa luta nesse espaço virtual. Assine e compartilhe”, disse.

Narubia agradeceu o apoio das pessoas que estão se solidarizando com a carta e disse que a  Petição é o inicio. “Essa é uma maneira  mobilizar as pessoas que querem ajudar, sabemos que é um problema bem complexo, estamos conversando sobre isso em um grupo de trabalho de saúde mental aqui na UFT, vamos precisar de um programa diferenciado e multisetoriais, só muita união mesmo para gente conseguir vencer”, declarou.

Assine a Petição: Presidente do Brasil, Dilma Rousseff : Salvem os jovens Iny (Karajá e Javaé) do suicídio.

Comunidade pede guarda comunitária

O caso é intrigante. Em diversos momentos a comunidade, quando esteve reunida com representantes do Poder Público (Funai, Sesai, governo de Tocantins, Procuradoria da República – TO), apontou sua maior preocupação: o aumento do alcoolismo. A comunidade pede uma guarda comunitária formada pelos próprios indígenas para impedir a venda e o consumo de bebidas alcoólicas dentro da aldeia. Além de mais profissionais da área de saúde, como psicólogos, médicos, etc. Os Iny também temem as transformações que o envolvimento, por vezes arbitrário, com a sociedade não índia traz. Ao mesmo tempo que estão sendo influenciados pelos sociedade não-índia eles lutam para manter vivos seus costumes e valores tradicionais, esse conflito foi apontado como um dos fatores que podem estar relacionados com o alcoolismo e o suicídio.

Saiba um pouco mais sobre a influência na cultura não-índia nas aldeias – Documentário mostra influência da TV na cultura Karajá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *