Conflito de terras gera mais uma morte no campo mato-grossense

Liderança de assentamento é executada a mando de fazendeiro no norte de Mato Grosso

Editado e adaptado por Maíra Ribeiro

Lúcia do Nascimento, ex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de União do Sul foi assassinada no inicio da tarde desta quarta-feira (13). Maria Lúcia do Nascimento tinha 48 anos e liderava os trabalhadores sem-terra em União do Sul. Além dela, outras 25 famílias viviam no assentamento Conquista 2, disputado judicialmente com duas fazendas, com área total de aproximadamente 700 hectares. As propriedades estão localizadas às margens da Rodovia MT-423, a cerca de 12 km de União do Sul, município a 650 km norte de Cuiabá.

O crime aconteceu a 20 metros do lote onde morava na propriedade rural que está sendo disputada na justiça entre o dono e trabalhadores. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado, mas a vítima não resistiu e morreu antes mesmo de ser socorrida.

Peritos técnicos estiveram na fazenda e iniciaram os trabalhos de investigações antes de o corpo ser recolhido pelo Instituto Médico Legal (IML).

Recentemente, Maria Lúcia e mais 25 famílias haviam recebido da justiça local a permissão para permanecer legalmente na área. Tanto ela quanto as outras famílias assentadas e dirigentes do Sindicato de Trabalhadores na Agricultura local já haviam sofrido ameaças do dono da fazenda, Gilberto Miranda, registradas em Boletins de Ocorrência e em atas de denúncias feitas diretamente ao ouvidor agrário nacional, desembargador Gercino José da Silva Filho.

Prisão em flagrante

O suspeito, Altair Borges de Brito, de 37 anos, foi preso em flagrante em uma região de mata em União do Sul e será encaminhado a um presídio em Sinop. O delegado informou que tanto a agricultora quanto o fazendeiro já tinham registrado vários Boletins de Ocorrência por causa dos conflitos gerados pela disputa da terra.

De acordo com informações da Polícia Civil, o acusado e a ex-presidente do sindicato teriam discutido dentro de uma área que está em disputa judicial entre o fazendeiro Gilberto Miranda e trabalhadores rurais. O executor do homicídio é funcionário da fazenda.

Conforme a polícia, a discussão ocorreu devido a um incêndio na propriedade. Em determinado momento, o funcionário foi até à caminhonete do patrão que estava junto, pegou uma arma e efetuou os disparos contra Lúcia. Ela morreu no local. Gilberto Miranda ajudou o funcionário a fugir.

A polícia começou as buscas ainda na quarta-feira (13). O fazendeiro foi levado para a delegacia de Polícia Civil de Cláudia, onde prestou depoimento. Após várias diligências, o acusado do crime foi localizado e preso. Ele será indiciado e transferido para o presídio Ferrugem. Já o fazendeiro Gilberto será indiciado por ter dado fuga ao criminoso.

Fonte: Folhamax OlharDireto G1MT e Portal Vermelho

Imagem: Arquivo pessoal/Portal Vermelho

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *