90 anos de Pedro Casaldáliga – Toda a sua obra disponível e gratuita

Todo a Acervo da Obra de Pedro Casaldáliga disponível para Download.

Por Liebe Lima/AXA

Em celebração aos 90 anos e atendendo ao desejo de Pedro Casaldáliga, toda a sua obra e produção bibliográfica está sendo disponibilizada ao público para download gratuito através da plataforma (www.academia.edu). Atualmente sua obra e arquivo estão sendo administrados por José María Concepción Rodríguez, que está trabalhando para disponibilizar estes conteúdos e torna-los acessíveis a todos que tenham interesse em seu legado.

Ao falar o nome de Pedro, intrinsecamente nos remetemos aos trabalhadores da terra, indígenas e gente simples na região do rio Araguaia que passaram pelos enfrentamentos das cercas que lhes restringiam direitos sobre suas terras e a viver conforme seus costumes. Na sua trajetória, Pedro esteve sempre ao lado destes atores sociais combatendo a violência, colocando sua vida em risco e difundindo informações, escrevendo ao mundo sobre as permanentes violações aos direitos humanos, que ocorriam ao povo que a Igreja colocara sob sua responsabilidade nomeando-o Bispo da Prelazia de São Félix do Araguaia no ano de 1971.

A primeira carta pastoral escrita por Pedro logo após a sua sagração em plena ditadura militar foi: “Uma igreja da Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social”, onde denuncia a situação de esquecimento e abandono vivido pelo povo do sertão, que naquela ocasião, via as cercas dos latifúndios implantados pelos projetos da ditadura militar através da SUDAM, lhes expulsar das terras que a muito ocupavam, sendo obrigados a resistir ou morrer pelas balas de jagunços.

Certamente esta realidade era também vivida em muitos recantos deste Brasil, mas o grande diferencial da luta empreendida ali foi a visibilidade que recebeu através da pessoa de Pedro, que munido de coragem, escreveu a história apresentando-a a partir da perspectiva de quem sofreu a violência e que até então eram invisíveis e sem voz. Em toda a mídia do Brasil que apoiava a ditadura, os grandes latifundiários eram apresentados à sociedade como heróis desbravadores da Amazônia e do progresso.

Estes são dois lados de uma mesma história!

Para nós, resta escolher de que lado queremos estar quando a história for contada, pois segundo Pedro, não há como servir a dois senhores.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *