Nova Xavantina/MT completa dez anos de Mostra Estudantil de Teatro

Técnicas teatrais são meio para o desenvolvimento pessoal de alunos

Por Maíra Ribeiro

O público já está sentado e espera atento, as luzes se apagam e o espetáculo começa. Este momento é o maior triunfo da Mostra Estudantil de Teatro de Nova Xavantina, que já chega a sua décima edição.

O desenrolar da cena é consequência de meses de trabalho e preparação. Mas, mais importante do que se a apresentação será um sucesso de público é a concretização do desafio aceito por alunos e professores das escolas de Nova Xavantina e da cidade vizinha Água Boa: encenar uma peça de teatro.

Peça "Nó em Pingo d'Água" por AABB Comunidade

Peça “Nó em Pingo d’Água”, AABB Comunidade

“É uma oportunidade para os alunos se descobrirem. Ter que falar alto, se apresentar em público, se soltar, interagir. Mesmo que não apareça agora, no futuro, isso vai aflorar, essa é a riqueza que o teatro oferece” explica Marisa Oliveira, uma das organizadoras do evento. A Mostra foi realizada pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Nova Xavantina em parceria com o ator e produtor cultural Gilberto Freitas.

Gilberto é enfático ao afirmar que não é um concurso, para eleger a melhor peça: “É uma mostra porque é um trabalho pessoal, cada um está ali para superar a si mesmo “. Assim, o teatro é trabalhado de forma inclusiva e pedagógica, na qual todos os alunos podem se descobrir atores. Gilberto ressalta ainda que a experiência de subir ao palco deveria ser encarada por todos. “Gostaria que o professor pudesse experimentar estar no palco, para ele sair da zona de conforto e ver como as ferramentas do teatro transformam a própria prática em sala de aula e nos propõe a ser uma pessoa melhor” desafia o ator.

Peça "Os vizinhos" por Escola Estadual Coronel Vanique

Peça “Os vizinhos”, Escola Estadual Coronel Vanique

A Mostra aconteceu de 23 a 25 de novembro na Câmara Municipal. O dia da abertura contou com diversas apresentações artísticas como o Coral da AABB Comunidade e a dança de maculelê, do grupo de Capoeira Centro-Oeste do Professor Tinin. A grande atração da noite foi o espetáculo “A magia do circo” do Coro Cênico Harmonizare, de Goiânia. Ao todo, sete peças de teatro foram apresentadas por escolas municipais, estaduais e particular e até uma academia de Nova Xavantina e uma escola de Água Boa. Na plateia, muitas crianças que vinham com suas escolas assistir as peças. É difícil dizer se nos divertíamos mais com as peças ou com a reação da criançada, que gritava e ria a cada reviravolta das histórias encenadas. Assim, a Mostra cumpre também o papel de formar público e propiciar para as crianças da cidade boas opções de lazer e cultura.

Os grupos de teatro que encenaram estas apresentações desenvolveram oficinas de capacitação permanente ao longo do ano. Nas oficinas, professores e alunos analisavam o texto junto com Gilberto para a construção dos personagens, lançando mão de diferentes técnicas teatrais e estimulando a criatividade dos alunos. “Nas oficinas permanentes, a gente trabalhava quais as possibilidades de criar em cima do texto original, como transformar o texto, materializar as palavras do autor, como adaptar” conta Gilberto.

A professora Celir Angonese conta satisfeita que os alunos nem parecem os mesmo do começo dos trabalhos, quando eles mal conseguiam se soltar. Ela dirigiu a peça “A nova era do ovo”, e veio com o grupo de teatro de Água Boa para apresentar. E logo se percebe o desenvolvimento dos alunos-atores. Enquanto entrevistava Celir, sua aluna Mariana Gomes, de 11 anos, já me pedia: “Eu também quero falar”. Então, nos conte, Mariana como foi fazer teatro?

“Pra mim, foi uma experiência. Eu tinha muita vergonha, e agora não tenho mais. Cheguei no palco, deu um pouquinho de tremedeira, mas eu tentei disfarçar”. Sua colega de palco Letícia Galle, também de 11 anos, transpareceu a alegria de viajar para encenar a peça. “Gostei muito de vir aqui em Xavantina, conhecer gente nova, apresentar. Foi uma aprendizagem” disse Letícia. Já Ana Carolina, de 13 anos, que encenou a peça “Nó em Pingo d’Água”, da AABB Comunidade, foi bem sincera: “No começo estava chato, o ensaio foi ficando cansativo, porque a gente tinha que ensaiar muito pra peça. Mas na hora de apresentar, foi muito legal”.

Peça "O casamento do Girassol com o Espantalho" por Escola Municipal Deus é Amor

Peça “O casamento do Girassol com o Espantalho”, Escola Municipal Deus é Amor

Afinal, como o próprio Gilberto propõe, todo mundo deveria ter a oportunidade de subir no palco um dia e sentir a adrenalina de apresentar uma peça de teatro. A Mostra Estudantil de Teatro de Nova Xavantina, sem dúvida, já está fazendo a sua parte.

Imagens: Gilberto Freitas/divulgação Facebook (imagem em destaque: Peça “A busca pela paz no mundo”, Escola Estadual Ministro João Alberto)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *