Embora dados oficiais afirmem crescimento, Kátia Abreu diz: “não há mais latifúndios no Brasil”

Em entrevista, nova ministra da Agricultura também disparou contra os índios: “se a presidenta entender que os pataxós estão com a terra pequena, compra um pedaço de terra para eles e dá”.

Escrito por: Kakazu/Agência Senado

A nova ministra da Agricultura Kátia Abreu (PMDB-TO) tomou posse nessa segunda-feira (05). Rechaçada pelos movimentos sociais, a ruralista disse, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, que não vai tolerar invasões de terra e que não existem mais latifúndios no Brasil.

“Ela [a reforma agrária]tem de ser pontual. E se o governo tiver dinheiro não só para dar terra, mas garantir a estrutura e a qualidade dos assentamentos. Latifúndio não existe mais. Usar discurso velho, antigo, irreal, para justificar reforma agrária? A bancada [ruralista] vai trabalhar sempre, discutir, debater”, disse.

Além disso, a nova ministra criticou o decreto de demarcação de terras indígenas (TIs) em vigor no Brasil e defendeu a PEC 215, que retira do Supremo Tribunal Federal (STF) e transfere para o Congresso Nacional a responsabilidade da demarcação de TIs no Brasil.

“Enquanto os índios reivindicavam áreas na Amazônia, a gente nunca deu fé do decreto de demarcação [em vigor]. É um decreto inconstitucional, unilateral, ditatorial, louco, maluco.[…] Os índios saíram da floresta e passaram a descer nas áreas de produção. Se a presidenta entender que os pataxós estão com a terra pequena, arruma dinheiro da União, compra um pedaço de terra para eles e dá”, explicou.

Discurso X Dados oficiais

Ao contrário do que acredita a nova ministra, o cadastro de imóveis do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) mostram que, entre 2003 e 2010, o número de latifúndios no país cresceu 48,4%.

Também de acordo com ele, em 2003, 112 mil proprietários concentravam mais de 214 mil hectares de terra no país. Em 2010, o número subiu e 130 mil proprietários detinham mais de 318 mil hectares. Além disso, cresceu mais de 70% os latifúndios não produtivos nesse período.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *