Real situação fundiária em Mato Grosso é um dos pontos a serem levantados pela Sedraf

No que diz respeito à regularização fundiária 100% dos assentamentos possuem problemas.

Escrito por:Viviane Petroli/AgroOlhar

Mato Grosso possui um caso sério de problemas fundiários e este é um dos pontos, se não o principal, a ser trabalhado nos próximos 100 dias, como revela o Contrato de Gestão dos 100 primeiros dias. Até o dia 28 de fevereiro um “diagnóstico situacional da questão fundiária, com identificação dos principais problemas e potenciais de atuação” deverá ser elaborado e apresentado pelo secretário de Agricultura Familiar e Regularização Fundiária, Suelme Evangelista Fernandes, ao governador Pedro Taques.

O Estado conta hoje, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), com 86.167 estabelecimentos da agricultura familiar, o equivalente a 76% dos estabelecimentos agropecuários do Estado. Destes 86% dos pequenos produtores produzem mandioca e 72% leite.

O documento, assinado no dia 02 de janeiro pelo governador Pedro Taques e o secretário, está dividido em cinco áreas: Desenvolvimento Sustentável; Empaer; Intermat; Ceasa; Gestão.

Conforme o Contrato de Gestão dos primeiros dias, um diagnóstico sobre as principais dificuldades estruturais, financeiras e relacionados à pessoal deverá ser apresentado também, porém até o dia 30 de janeiro.

No que tange a Empaer uma das exigências do contrato é quanto à situação financeira e estrutural da autarquia.

Quanto ao Ceasa, cujo contrato de concessão foi assinado no dia 17 de dezembro de 2014, deverá ser elaborado um diagnóstico sobre a situação do mesmo, identificando os principais problemas e potenciais de atuação.

Confira aqui o Contrato de Gestão para os 100 primeiros dias de governo Pedro Taques.

Imagem: Arquivo AXA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *