Começa hoje a Mostra Cinema e Direitos Humanos em Nova Xavantina

Conflitos por terra, tortura, desigualdades e inclusão são alguns dos temas tratados nos filmes exibidos

Por Maíra Ribeiro/AXA

De 4 a 7 de março, a cidade de Nova Xavantina receberá filmes da 9ª Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul. Ao longo dos quatro dias, em diferentes pontos de Nova Xavantina, o público entrará em contato com histórias de supressão ou promoção dos direitos humanos no Brasil. Não se trata, portanto, de uma seleção de filmes leves, muito pelo contrário, a maior parte das narrativas são fortes e trazem tensões. Algumas  questões são muito próximas à realidade da região, como a questão da luta pela terra, por camponeses e por indígenas.

A 9ª Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul é uma iniciativa do Governo Federal para consolidar a cultura de respeito aos direitos humanos. Esta ocorreu entre 3 de novembro e 20 de dezembro com a exibição de 41 filmes percorrendo todas as capitais do país. Através do Projeto Democratizando, a Mostra se estende agora para mil pontos de exibição pelo país.  Desta forma, locais como praças, aldeias, centros comunitários ou universidades dos mais diversos e distantes municípios brasileiros se tornam pontos de debate sobre direitos humanos, mobilizado pelo cinema. O Projeto Praça Viva Cinema Livre de Nova Xavantina foi um dos pontos inscritos e selecionados que recebeu um kit do Democratizando com parte dos filmes da 9ª Mostra. No vale do Araguaia, Barra do Garças também recebe a Mostra através da UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso).

A abertura da Mostra em Nova Xavantina será hoje (4) no anfiteatro da Unemat (Universidade do Estado de Mato Grosso) com a exibição do documentário Cabra Marcado para Morrer (1984), de Eduardo Coutinho. Através da narração da história do próprio filme, Cabra Marcado para Morrer, que nunca foi concluído devido à repressão do regime militar, o documentário refaz a luta das Ligas Camponesas e dos impactos da ditadura na vida daqueles camponeses. Esta é uma das principais obras do celebrado cineasta brasileiro, morto em 2014.

No sábado (7), a exibição será na Praça Alencar Soares, junto com a primeira edição da feira cultural mensal promovida pelo Praça Viva Cinema Livre com apoio da Secretaria de Estado de Cultura. Assim, haverá feira de artesanato, atrações musicais e artísticas. Como encerramento da Mostra, será exibido o filme Que bom te ver viva, primeiro longa-metragem da cineasta brasileira Lúcia Murat de 1989. Homenageada da 9ª Mostra de Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul, a carioca Lúcia Murat é uma das poucas cineastas brasileiras que estiveram profundamente envolvidas com os movimentos políticos de resistência ao golpe. Presa em 1971, levou suas experiências para as telas neste longa-metragem no qual oito ex-presas políticas e uma personagem fictícia trazem seus relatos, medos e esperanças do tempo de prisão e tortura.

Em Nova Xavantina, a Mostra é organizada pelo Projeto Praça Viva Cinema Livre, grupo que atua de forma militante e voluntária pela democratização da cultura e lazer na cidade e contou com o apoio dos pontos de exibição Escola Estadual Juscelino Kubitschek e Campus de Nova Xavantina da Unemat .

Programação:

Quarta-feira 04/03 – Anfiteatro da Unemat

19:00 – Cabra Marcado para Morrer, de Eduardo Coutinho (119′)

Quinta-feira 05/03 – Anfiteatro da Escola JK

20:00 – Sophia, de Kennel Rógis (15′) e Ilha das Flores, de Jorge Furtado (10′)

Sexta-feira 06/03 – Anfiteatro da Unemat

19:00 – Vale dos Esquecidos, de Maria Raduan (72′)

Sábado 07/03 – Praça Alencar Soares

A partir das 18 horas, haverá feira de artesanato, apresentações musicais, oficinas na praça

19:00 – Encerramento da Mostra com o filme Que bom te ver viva, de Lúcia Murat (90′)

Mais informações na página do projeto Praça Viva Cinema Livre no Facebook.

Imagem: Praça Viva Cinema Livre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *