GUARDIÕES DA FLORESTA

A AXA (Articulação Xingu Araguaia) deu início, neste mês de abril, à campanha de conscientização e prevenção dos focos de incêndio na região Xingu Araguaia. Ao longo do mês, compartilhamos em nossas redes diversas informações acerca das Brigadas, formadas por indígenas e assentados, cujo objetivo é combater os focos de incêndio na região.

Com o fim das chuvas, é preciso fazer o controle das queimadas que se alastram nas secas, desafio que a cada ano tem se tornado maior, por conta do grande aumento dos focos de calor que vem acontecendo.

Anderson Edivam Righi, ex-brigadista e morador do Programa de Desenvolvimento Sustentável  Bordolândia (PDS), no município de Serra Nova Dourada (MT), reflete sobre o aumento dos focos de queimadas nos últimos anos, alertando para a prevenção de combate ao incêndio. Anderson pertenceu à Brigada de Bordolândia/Marãiwatsédé, entre 2018 e 2020. Período sobre o qual comenta que “havia uma diminuição das queimadas, mas no ano de 2019 houve um aumento nos focos”. 

A brigada Xavante/Bordolândia está ativa desde 2016 e conta com 25 brigadistas. 

Os focos de incêndio geralmente acontecem a partir do fim do período das chuvas, em meados de junho. E se iniciam, principalmente, próximo às divisas, estradas e áreas de invasão de terra. Os brigadistas combatem o alastramento destes focos, evitando a entrada de fogo nas aldeias. Segundo estudo realizado pela Opan (Operação Amazônia Nativa) e pelo ICV (Instituto Centro de Vida) houve uma redução de 25% nos focos de calor na TI Tenharim/Marmelos, 33% na território Manoki, 74% no território Myky. Estes dados mostram a importância dos Guardiões da Floresta para a proteção do território e da comunidade.

Saiba mais sobre a função das Brigadas neste vídeo:

 

*Fotos são de autoria do ex-brigadista Anderson Righi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *