Iniciam as ações do projeto ‘Hortas nos Assentamentos’

 

Dona Belina de Souza, moradora do Casulo Boa Esperança, regando a horta.

O projeto “Hortas nos Assentamentos”, promovido pela Oeca/Ansa, com apoio de Manos Unidas e parceria com a AXA, surgiu a partir do começo da pandemia de Covid-19, com o objetivo de melhorar a alimentação das famílias de quatro assentamentos da região xingu-araguaia: P.A. Dom Pedro, P.A. Mãe Maria, Casulo Vida Nova e Casulo Boa Esperança. O projeto visa proporcionar um complemento de renda para as famílias atendidas e melhorias na alimentação, incentivando principalmente as mulheres, como uma atividade alternativa que elas podem exercer dentro dos assentamentos. 

Lucas Pimentel, técnico agrícola do projeto, informou que inicialmente o projeto previa o atendimento de 25 famílias, mas com a procura já está atendendo 30 famílias, nos quatro assentamentos. As orientações do projeto e convivência entre as comunidades está sendo mediada via Whatsapp, de forma que as famílias envolvidas possam se integrar e fazer contato direto com a equipe técnica e manter o distânciamento social. 

O processo de execução da horta inicia-se através da escolha da área, limpeza, produção de canteiros e plantio, cada família recebeu um kit de materiais para construção das hortas: rolo de tela, sombrite, carrinho de mão, sementes de variadas espécies, regador e balde. A contrapartida das famílias é a mão de obra, madeira para cercar, esterco e outros tipos de adubos orgânicos, com as hortas produzirão alimentos de qualidade, melhorando a alimentação dos assentados. 

Horta da Sandra, moradora do P.A. Casulo Vida Nova (Alto Boa Vista-MT)

Uma das preocupações de Maria Eunice, moradora da P.A. Mãe Maria, é sobre como manter a produção orgânica, em terras rodeadas por agrotóxicos e venenos. Como também relata a senhora Eloisa do Carmo, moradora há 21 anos do P.A. Dom Pedro: “A maior dificuldade é a questão do adubo, pois tem gente que bate veneno nas terras, então o gado come o capim e sai tudo no esterco, quando colocamos nos canteiros e nas covas o veneno ainda não saiu então, a semente acaba não germinando”. Outra situação prejudicial seria a questão da água no Casulo Boa Esperança e Vida Nova, no município de Alto Boa Vista, Dona Belina de Souza, moradora do Casulo Boa Esperança relata as dificuldades com a falta de água na região, que não possui poço, nem cisterna.

As dificuldades vêm sendo superadas, e as famílias estão bastante engajadas em fazer dar certo.: “Então, acho muito bom ver as plantas crescendo. E o oxigênio que você recebe é outro, das plantas e das árvores. Me dedico muito a plantar, cultivar as coisas, para mim é uma terapia e me sinto feliz em estar mexendo com alguma coisa, que cresce,que nasce, que reproduz. E fico triste quando elas morrem, mas tem que encarar mesmo, se quiser alguma coisa.” (Sandra Brito, casulo Vida Nova)

Horta da professora Elione, moradora do P.A. Casulo Vida Nova (Alto Boa Vista-MT). Foi uma das mentoras da criação do Casulo, quando morava na zona urbana de Alto Boa Vista e exercia o cargo de vereadora do município.

O projeto está em sua fase inicial, com algumas estruturas prontas, outras já com canteiros formados ou começando a produzir as primeiras mudinhas, mas todos com bastante força de vontade e esperança de que terão orgulho do trabalho realizado.

*Ana Cláudia – comunicadora da AXA e assentada da P.A. Casulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *