Pandemia e covid-19 em São Félix do Araguaia: Resiliência é o que move ações de enfrentamento nas comunidades locais

Família Selma Torquatro Lima, Casulo Vida Nova – Foto de Lucas Pimentel.

Por Liebe Lima | Ana Lúcia Souza Silva

Em São Félix do Araguaia, MT, comunidades rurais vêm realizando ações de enfrentamento à covid-19 em meio à grande tragédia humanitária causada pela pandemia que assola o mundo. Para esses homens e mulheres, trabalhar no cultivo da terra, significa também o manejo dos afetos de quem planta e faz germinar esperança de dias melhores, com a certeza de que se pode diminuir a dor de perdas e tristezas causadas pela doença. A receita é o fortalecimento daconvivência familiar, a valorizaçãoda presença e da saúde das pessoas queridas, de boas comidas,do tempo para as orações que nos ligam ao divino e às atividades que produzem abundância e geração de renda com a venda de excedentes dos quintais e hortas familiares.

Num trabalho com estas famílias, a Associação de Educação e Assistência Social Nossa Senhora da Assunção (ANSA) e a Organização Ecosocial do Araguaia (OECA), em conjunto com Manos Unidas e outros parceiros, vêm apoiando a realização de atividades produtivas com vistas à segurança alimentar, por meio do plantio de hortas e sistemas agroflorestais como o casadão, que fazem parte de um ciclo virtuoso de geração de renda.

Família Alderice Silva de Sousa, Casulo Vida Nova – Foto de Lucas Pimentel.

Entre outras cadeias produtivas estão a coleta de sementes florestais que são vendidas à Rede de Sementes do Xingu para recuperação de áreas degradadas e a Araguaia Polpa de Frutas com o beneficiamento de frutas que são colhidas em períodos sazonais na natureza e coletadas de plantios nos quintais produtivos em vários assentamentos da região.

Estas são iniciativas com a marca de protagonismo das mulheres, que demandaram da ANSA, OECA e os outros parceiros, trazendo a necessidade de ações para incrementar a alimentação das famílias em situação de vulnerabilidade que se intensificou com a chegada da pandemia. Atualmente trinta e uma famílias estão sendo atendidas nas ações de assistência Social desenvolvidas pela ANSA e OECA por meio do plantio de pequenas hortas e concessão de crédito solidário para apoiar outras iniciativas de geração de renda nas comunidades. Logo serão mais vinte e oito famílias, residentes no P.A. Dom Pedro, P.A. Mãe Maria, P.A. Casulo Vida Nova, P.A. Casulo Boa Esperança, PDS Bordolândia, P.A. Zeca da Doca e P.A. Patizal.

Sandra Brito de Moraes – Foto de Lucas Pimentel.

As atividades de plantios são desenvolvidas pelos núcleos familiares, em etapas planejadas coletivamente para a escolha e limpeza do local e depois de tudo pronto e cercado, vem o plantio para o cultivo de um cardápio variado de verduras como alface, rúcula, tomate, couve, coentro, cebolinhas, berinjela, quiabo, jiló e muitas outras variedades sem o uso de venenos.

Com isso, o tema de cuidados com a saúde está presente de maneira ampliada nas famílias,que estão colocando em prática os princípios fundamentais para vencer a covid-19, com uma boa alimentação, o cultivo de boas relações familiares e os protocolos de distanciamento social que são necessários para a proteção da vida e cuidados com o próximo. Com o aumento de casos de covid-19 nas comunidades, esses cuidados têm se intensificado cada vez mais para evitar a disseminação do vírus.

Na prevenção contra a covid-19, foram distribuídos Kits covid no P. A Dom Pedro, em Pontinopolis, no Casulo Vida Nova, no Casulo Boa esperança e também por meio do Sindicato Trabalhadores Rurais do Município de Alto Boa Vista. Os Kits continham produtos de higiene como mascarás descartáveis, álcool em gel, sabão em barra e sabão em pó, considerando as regiões de maior incidência da covid-19. Esta foi uma ação conjunta da ANSA, Articulação Xingu Araguaia (AXA) e OECA. Desde o início da pandemia que iniciou em março de 2020, mais de 200 cestas básicas foram distribuídas para famílias em situação de vulnerabilidade social e a confecção de máscaras que foram amplamente distribuídas na região.

Grupo de Mulheres MABA- Lucilene P.Silva, Marcilene S.Borges, Maria Aparecida R. Arruda, Domingas S. Braga – Foto de Alexandre Lima de Oliveira.

Para continuar a luta e vencermos o coronavírus, a Agente de Saúde comunitária, no Trevo do Macaco, PA Dom Pedro em São Félix do Araguaia, Rosilene Alves da Silva, lamenta que algumas pessoas, embora sejam uma minoria, apesar de tantas mortes causadas pela doença, continuam se negando a seguir as orientações dos agentes de saúde para adotarem os cuidados preventivos como o isolamento social, o uso de máscaras e a realização de procedimentos rigorosos de higienização que podem salvar vidas. 

Rosilene ressalta a importância da vacina e diz que o coronavírus veio para ficar.Para ela, todo esse cuidado é uma expressão de amor ao próximo, evitando que pessoas queridas tenham que se despedir de nós, em decorrência do agravamento da doença, que até o final de maio já levou a 34 óbitos somente no município de São Felix do Araguaia e provocou mais de 480.000 em todo o país.

Enquanto as vacinas não chegam para todos, somente a responsabilidade social e de amor ao próximo podem nos salvar de perder tantas vidas e cada um de nós podemos fazer a diferença, nos conscientizando da importância dos cuidados preventivos não farmacológicos como o uso de máscaras, o distanciamento social e a higienização cuidadosa toda vez que for necessário ir a locais com grande circulação de pessoas como ocorre em bancos e supermercados.

Vamos nos dar às mãos e continuar com a força da agricultura familiar no plantio de boas sementes, das boas práticas e sendo conscientes para dizer não ao coronavírus.

Para se atualizar sobre os casos de covid 19 e calendário de vacinação do município e do Brasil, com dados oficiais acesse:  https://qsprod.saude.gov.br/extensions/covid-19_html/covid-19_html.html

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *